terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Review: One (Vandroya)

One (Vandroya)
(2013, Inner Wound Recordings)
(5.8/6)
 
Depois de ter terminado 2012 em grande com a terceira parte da ópera metal dos Soulspell, a editora sueca Inner Wound Recordings entra em 2013 com a edição de mais um coletivo brasileiro e, de novo, com um trabalho de grande qualidade. One é o trabalho de estreia (se excluirmos o EP Within Shadows, de 2005) dos Vandroya banda liderada pela bela Daísa Munhoz que também tem desempenhado importante papel em Soulspell. One é um disco onde o heavy/power metal se cruza com elementos progressivos e uma clara tendência para fortes melodias. Afinal, seguindo o rasto de outro nome grande brasileiro, os Angra, cuja influência se nota não só no aspeto melódico e de velocidade como no criativo trabalho ao nível da percussão, com a inclusão de poliritmos e alguns elementos étnicos. Estas referências são bem notórias em temas como The Last Free Land, Within Shadows ou When Heaven Decides To Call. Mas One é também um disco diversificado que veste diferentes roupagens como a sensacional power ballad Why Should We Say Goodbye?, a poderosa e rápida The Last Free Land, as fortemente progressivas No Oblivion For Eternity e Solar Night e a introdução de vocais masculinos, cortesia de Leandro Caçoilo (ex-Eterna) que colabora no tema Change The Tide, num interessante dueto com Daísa. Este é um álbum em que todos os membros dos Vandroya desempenham um papel impressionante ao nível da execução e da criação dos temas e valorizado por uma soberba produção, clara, límpida e poderosa. Uma competentíssima abordagem do power metal melódico, provando que este género ainda consegue produzir álbuns de altíssimo calibre.
 
Tracklist:
01. All Becomes One
02. The Last Free Land
03. No Oblivion For Eternity
04. Within Shadows
05. Anthem (For The Sun)
06. Why Should We Say Goodbye?
07. Change The Tide
08. When Heaven Decides To Call
09. This World Of Yours
10. Solar Night
 
Lineup:
Daísa Munhoz - vocais
Marco Lambert - guitarras
Rodolfo Pagotto - guitarras
Giovanni Perlati - baixo
Otávio Nuñez – bateria
 
Internet:
 

Sem comentários: