sábado, 23 de novembro de 2013

Review: Âncora (As de Espadas)

Âncora (As de Espadas)
(2013, Independente)
(5.0/6)

As de Espadas (assim mesmo sem acento como fazem questão de frisar) é o novo projeto de João As, anteriormente conhecido como Killer e vocalista de uma dos coletivos mais ativos dentro do underground nacional, os Defying Control. Para este novo projeto, João As chamou elementos e ex-elementos dos mesmo Defying Control, mas a sonoridade apresentada é deveras diferente do seu grupo original. Aliás, nem poderia ser de outra forma. Em Âncora, João As deixa o inglês e aventura-se em português, retira decibéis e energia e do punk rock passa para um rock suave, feito de portugalidade (notória em temas como Espírito Livre e Quase 1000 Anos) e aproveitamento do que de bom Portugal tem: sol, diversão, futebol e miúdas! Tudo construído sobre melodias simples e diretas, cartadas de rock pincelado de algum tradicionalismo e até de rockabilly. De vez em quando também por lá aparecem alguns trejeitos do punk como que a reivindicar ainda alguma preponderância. E isso também ajuda a que Âncora apresente 10 temas bem-dispostos, variados, focados em situações normais de um português normal com ou sem crise (s). Destaque para os temas Anjo de Negro (quanto a nós o melhor conseguido de todo o disco), Tatuagens, Tempo de Partir onde João As surge completamente despido de artefactos apenas acompanhado por uma guitarra acústica e Dia de Bola, verdadeiro hino dos adeptos do futebol em dia de jogo grande. Irreverentes, honestos e com vontade de fazer algo diferente, os As de Espadas são mais um nome a considerar no contemporâneo rock nacional. Âncora acaba por ser a sua primeira cartada. Indiscutivelmente, um ás. De trunfo!

Tracklist:
1.      Acredito
2.      Cadillac Azul
3.      Sol do Verão
4.      Tempo de Partir
5.      Anjo de Negro
6.      Espirito Livre
7.      Quase 1000 Anos
8.      Tatuagens
9.      Dia de Bola
10.  Sid e Nancy

Line-up:
João Ás  - vocais e baixo
André Silva – guitarras
Francisco Marcos – guitarras
Luís Logrado – bateria

Internet:

Sem comentários: