quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Entrevista: Silent Voices

O que fazem Michael Vescera,Tony Kakko, Mike DiMeo e Mats Léven juntos? Pois bem, vocalizam um dos melhores álbuns de prog metal do ano passado, Reveal The Change, assinado pelos Silent Voices, banda onde pontificam os elementos dos Sonata Arctica, Henrik Klingenberg e Pasi Kauppinen. Este foi aliás, um dos temas abordados pelo guitarrista Timo Kauppinen na entrevista que nos concedeu.

Obrigado pela vossa disponibilidade e parabéns pelo vosso regresso com este excelente álbum. A primeira pergunta é o que andaram a fazer durante este período de ausência?
Obrigado. Bem, depois de Michael ter deixado a banda em 2006, decidimos fazer uma pausa durante algum tempo para nos concentrarmos em todas as nossas outras bandas e projetos. Em 2008, encontramo-nos novamente, tocamos juntos e começamos a escrever material novo para este quarto álbum. Na verdade gravamos todas as faixas, bateria, baixo e guitarras rítmicas básicas para este álbum já em 2008, mas como não temos prazos, e com este projeto só trabalhamos quando temos tempo livre dos nossos outros projetos. Foi por isso que este foi um processo bastante lento.

Então não se passou nada de especial para essa paragem depois de três bons álbuns? A saída do vocalista não foi determinante?
Eu diria que não houve qualquer drama nem nada de especial nos bastidores, foi apenas a decisão de Michael. Acho que ele precisava seguir em frente e não se sentiam muito feliz com a banda apesar de sermos muito bons amigos e trabalharmos juntos. Tivemos uma tour muito bem sucedida aqui na Finlândia depois do lançamento do nosso terceiro álbum, Building Up The Apathy na Primavera de 2006 e havia também planos da nossa editora para abrirmos para os espetáculos dos franceses Adagio na Europa e no Japão, mas isso nunca aconteceu. Esse foi o ponto de viragem, depois de uma primavera muito ocupada e promissora Michael decidiu sair e os restantes quisemos fazer uma pausa pois já vínhamos juntos desde 1995.

Quando sentiram que estava na altura de um novo álbum de Silent Voices?
Foi em 2008. A nossa editora anterior perguntou o que estava a acontecer com a banda e se estávamos interessados ​​em entrar em estúdio para gravar um novo álbum. Um dia, reuniram-se no nosso local de ensaio e começamos a tocar juntos a partir do zero como sempre fizemos. Foi absolutamente fantástico tocar juntos novamente depois de quase dois anos afastados e ficamos muito satisfeitos por descobrirmos que imediatamente compusemos muitos novos riffs e ideias para as novas músicas.

Sentem que têm um regresso muito forte? Como têm reagido os vosso fãs mais antigos?
Eu sinto que este é um novo começo para a banda depois de todos esses anos. Parece haver muitos excelentes comentários a este novo álbum e também temos boas respostas e feedback dos nossos fãs antigos. Ainda somos uma banda bastante desconhecida para a maioria das pessoas, mesmo considerando que chegamos a um novo nível mais amplo de fãs agora com este novo álbum.

Desta vez, em vez de um vocalista têm... cinco! Como foi trabalhar com cada um deles?
Foi ótimo! Todos os vocalistas do álbum são absolutamente incríveis e brilhantes. Gravamos todas as faixas apenas instrumentalmente pois não tínhamos a menor ideia de quem as iria cantar. Muito mais tarde, fomos descobrir todas as melodias vocais e letras e, em seguida, alguém teve a brilhante ideia de perguntar a alguns dos nossos cantores favoritos de todos os tempos, se eles estariam interessados ​​em cantar algumas canções para o novo álbum. Teemu Koskela cantou todas as faixas demo e depois acabamos por enviar as músicas para os vocalistas as gravarem e, em seguida, devolveram-nos o trabalho. Todos os convidados fizeram um grande trabalho e foram verdadeiros cavalheiros durante todo este projeto, por isso, agora que o álbum está cá fora, estamos muito agradecido por tudo isso.

Mas, todos eles são convidados ou algum é o vocalista efetivo dos Silent Voices?
Teemu Koskela é agora um membro integral da banda. Fizemos alguns espetáculos ao vivo no Reino Unido e na República Checa no verão passado com Teemu e como tudo parecia funcionar perfeitamente pedimos-lhe para entrar para a banda.

Foi a opção certa para vocês?
Absolutamente. Todos nós conhecemos Teemu há muitos anos e, além disso, ele é um vocalista incrivelmente talentoso com uma voz perfeita e é uma pessoa impecável.

Ted Jensen masterizou o álbum em Nova York. Como é que a mão desta lenda manipulou o vosso som?
Sempre admiramos o trabalho de Ted Jensen com os Dream Theater, bem como com muitas outras bandas com quem já trabalhou, por isso decidimos fazer isto com ele. Na minha opinião ele tem essa grande habilidade para masterizar álbuns por isso soa muito quente e forte, mas muito dinâmico ao mesmo tempo. Na realidade, podes ouvir todas as pequenas nuances e detalhes na música. Ele não manipulou muito o nosso som, o álbum soa bastante similar à nossa mistura, mas há definitivamente algo de mágico na sua masterização e estamos realmente muito felizes com isso.

Este é o primeiro álbum para a Inner Wound Recordings, certo? Como se proporcionou essa ligação?
Definitivamente temos de agradecer ao nosso manager por isso. Ele trabalhou muito para encontrar o melhor negócio possível para nós e para o lançamento deste novo álbum.

A respeito de Reveal The Change, como analisas este álbum em comparação com os anteriores?
O nosso primeiro álbum Chapters Of Tragedy, de 2002, foi bastante melódico e suave, enquanto o seguinte Infernal, em 2004, era um agressivo e corajoso álbum de heavy metal. Na altura de escrever o terceiro álbum queríamos manter o peso do Infernal, mas ao mesmo tempo chegar lá a esse sentimento mais melódico e progressivo que tivemos em Chapters. Durante o processo de escrita para este quarto álbum não quisemos entrar por campos muito pesados. Acho que é uma grande combinação de todos os anteriores álbuns dos  Silent Voices .

E será este o vosso melhor álbum até agora?
Na minha opinião este novo álbum é definitivamente o nosso álbum mais forte  em todas as perspetivas. Acho que é uma grande mistura de elementos progressivos e melódicos com material mais pesado.

Com dois membros também nos Sonata Arctica, é fácil gerir a agenda dos Silent Voices?
Bem, naturalmente temos que organizar tudo dentro do cronograma dos Sonata Arctica por isso às vezes não é o trabalho mais fácil de fazer. Não temos muito tempo para tocar juntos como estamos habituados a ter, mas por outro lado, hoje em dia todos temos estúdios caseiros e dispositivos móveis para gravar e compartilhar novas ideias entre nós, ao escrever novo material. Quando se trata de tocar ao vivo com Silent Voices estamos absolutamente ativos e sempre que podermos fazer espetáculos iremos fazê-los.

A respeito de projetos futuros, como tours, há alguma coisa planeada?
Já existem planos para fazer uma tournée e alguns festivais em 2014. O nosso manager está a trabalhar para fazer tudo isso acontecer por isso espero que possamos fazer mais alguns shows em breve. Existem alguns planos também para um vídeo, mas isso realmente depende da nossa editora.

Mais uma vez obrigado. Queres acrescentar mais alguma coisa?
Queremos agradecer a todos os nossos fãs por todo o grande apoio que nos têm dado e a todos os que imploraram para continuar como a banda. Este novo álbum é para vocês, espero ver-vos na estrada em breve! E, claro, no caso de ainda não terem comprado o álbum, confiram os previews e webstore em www.silentvoices.net . Fiquem atentos e espalhem a palavra. Mais informações para 2014 em breve! Agradecimentos e aplausos para todos!

Sem comentários: