sábado, 13 de dezembro de 2014

Entrevista: Viralata

Se com Vai Buscar o nome Viralata tinha ficado marcado no panorama punk rock nacional, é com Doa a Quem Doer, que a banda lisboeta se afirma, definitivamente, como um dos nomes mais importantes do movimento, e a ter em conta no futuro. Ulisses Silva, o homem que dá a voz a um mais espetaculares discos nacionais de 2014, falou-nos um pouco deste seu novo trabalho.

Olá Ulisses! Obrigado pela tua disponibilidade. Dois anos depois de Vai Buscar, aqui está Doa a Quem Doer. Como analisam a vossa evolução desde a estreia?
Foi uma evolução bastante positiva. Começámos logo bem no primeiro disco que foi um trabalho bastante bem aceite, com muitos concertos, e isso deu visibilidade à banda para agora chegar com um novo disco.

Como foi o processo de composição deste novo álbum?
Desde 2012 que começámos logo a trabalhar em novos temas, ainda o Vai Buscar estava quentinho e já havia algumas ideias para novas malhas. Depois foi trabalhá-las na sala de ensaios, fazer arranjos, pré-produzir, etc.

Este é o primeiro lançamento para a Rastilho, certo? De que forma se deu a ligação à editora?
Quando acabámos a gravação do álbum em estúdio contactámos algumas editoras e mostrámos o nosso trabalho, já final. Tivemos algumas propostas e acabámos por optar pela Rastilho, não só por ser a maior editora indepentente Nacional mas também pela qualidade das bandas que lança e tem lançado e por acreditar, dar o litro e vestir a camisola dos seus artistas.

Voltam a apresentar um conjunto de canções de forte intervenção social. A atual situação socioeconómica do país, deve dar-vos vastos motivos para escreverem…
Claro, é relativamente fácil encontrar inspiração nos dias que correm, principalmente quando fazes punk rock em português com mensagens claras, pertinentes e sem rodeios. Vivemos tempos difíceis, falamos sobre eles, mas também sobre soluções e formas de dar a volta. É fundamental passar esperança e não ser apenas negativo.

Mas é curioso como conseguem juntar a crítica social com tanto humor. Como se consegue isso?
O humor é sem dúvida uma forma inteligente de abordar os problemas, seja na música, seja no teatro ou noutra expressão artística qualquer. Sempre foi uma arma poderosa para criticar e dizer muita coisa nas entrelinhas.

E sempre em português? Não abdicam disso?
Não, claro que não. Comunicamos para os portugueses, para o nosso povo, no nosso país. É a nossa língua, é a língua que dominamos e com a qual nos sentimos confortáveis para passar a nossa mensagem de forma clara, correta e eficaz.

Neste trabalho há dois temas emblemáticos, essencialmente por serem diferentes: Não Há Tachos e Maria Joana. De onde veio a inspiração para esses temas?
O Não Há Tachos é óbvio, tem a ver com a situação do país desde há várias décadas. Fala dos “tachos”, dos compadrios, da promiscuidade entre o poder político e o económico. O tema Maria Joana é mais uma sátira, não é uma crítica é apenas uma história divertida sobre algo que é real.

No caso particular de Não Há Tachos, o tema termina com uma parte narrada com sotaque africano. De onde surgiu a ideia?
Foi uma forma de conferir mais humor ao videoclipe. Lembramo-nos que poderia ser engraçado e acabámos por fazê-lo. Acho que ficou bem fixe!

E como aparece o Kalú a dividir os vocais convosco?
Eu já conhecia o Kalú dos tempos dos K2o3, banda da qual fiz parte durante muitos anos. Pensámos em ter uma voz diferente a cantar este tema connosco e lembramo-nos do Kalú, não só por ser o músico que é mas por ter um registo vocal completamente diferente e que encaixaria na perfeição. Convidamo-lo e ele aceitou na hora. Foi um orgulho tê-lo connosco nesta canção.

E a realização do vídeo de Não Há Tachos
deve ter sido superdivertido… Queres compartilhar connosco essa experiência?
Foi um dia bem passado, mas também muito cansativo. As pessoas só vêem a parte final, tudo montadinho e divertido e acham que a malta esteve na paródia o dia todo. Ehehhe! Dá muito trabalho, são muitas horas, neste caso, muitas horas numa cozinha a filmar. Mas obviamente que foi altamente e que nos divertimos imenso, aliás, isso dá para comprovar no videoclipe. Eheh!

Para além deste, têm mais dois vídeos, não é verdade?
Sim, fizemos videoclipes para os temas E Vai um Copo e Estamos Juntos.

Este Cd foi antecedido pelo single Não Há Tachos, numa edição em vinil e que conta com um tema (Parafuso) exclusivo do single. Como está a ser a aceitação a esse produto?
A aceitação tem sido óptima, as críticas até agora têm sido todas excelentes e estamos muito contentes com este nosso novo trabalho.

E em termos de apresentações ao vivo? Alguma coisa agendada para os próximos tempos?
Desde que lançámos o disco no dia 27 de setembro, que temos estado a tocar todos os fins de semana, o que é óptimo. Iremos retomar os concertos a partir de 2015 e estamos neste momento a marcar datas que irão ser anunciadas em breve.

Mais uma vez obrigado! Queres deixar alguma mensagem?
Obrigado pelo vosso apoio e divulgação. A mensagem que aqui deixo ao público em geral é que apoiem as bandas nacionais, que vão aos concertos, que comprem os discos das bandas porque estão realmente a ajudar quem tanto trabalha no duro sem pedir nada em troca, e na esmagadora maioria das vezes sem quaisquer apoios.

Sem comentários: