sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Entrevista: Back Fate


Cinco anos após Deliverance Of Soul, os gregos Black Fate agora reduzidos a um quarteto regressam com novo álbum em nova editora. Gus Drax, guitarrista, falou do nascimento e desenvolvimento desta nova obra, Between Visions & Lies.

Olá Gus! Obrigado pela tua disponibilidade. Como se sentem de regresso aos álbuns?
O prazer é meu, obrigado por me receberes. É ótimo. Trabalhamos muito duro durante mais de dois anos para este álbum. Tivemos momentos difíceis mas é muito bom vê-lo cá fora agora.

Cinco anos em silêncio não é demais? O que aconteceu? Houve problemas no line-up que justificassem este hiato?
Acho que sim. Não, não temos quaisquer mudanças de line-up, desde 2009 que estamos juntos. Começamos a fazer concertos para o Deliverance Of Soul, o nosso álbum anterior e depois decidimos fazer outro álbum. Durante esse tempo a banda não esteve num hiato. Várias razões estiveram na origem do intervalo de 5 anos entre os dois álbuns. Uma delas é a nossa atenção aos detalhes no álbum. Trabalhamos em cada pequeno detalhe e isso leva tempo. Depois temos outros empregos o que também consome tempo e energia. E outra razão foi o meu serviço militar, que ainda é uma obrigatoriedade na Grécia e eu estive ao serviço do país entre 2011-2012 e que também levou algum tempo e energia. Estes foram os motivos mais importantes, portanto nada relacionado com o line-up.

Mas o certo é que de um sexteto se reduziram a quarteto neste álbum. Como lidaram com a situação?
Quatro pessoas provavelmente podem lidar e comunicar uns com os outros mais facilmente que seis. Somos um quarteto e não temos um teclista, embora tenhamos teclas nas nossas músicas e ao vivo usamos gravações. Poderíamos acrescentar um teclista, mas somente se ele for - exceto se for um grande músico - um elemento com quem possamos comunicar, colaborar, darmo-nos muito bem e ter uma boa amizade com ele. É assim que funciona para nós.

Só ficaram o vocalista e baterista. Como foi o trabalho para este novo material? Com os antigos elementos também?
O nosso baterista vem com a maioria das ideias para as músicas e, em seguida, trabalhamos em conjunto para o resultado final. A situação do line up é que Nikos escreve as músicas novas. Esta formação é a mais estável na história banda. Estamos juntos há 5-6 anos e não nos vemos a mudar nada. Estamos todos a trabalhar juntos e com uma composição estável.

Porque um título genérico como Between Visions & Lies?
A mensagem de Between Visions & Lies é a maneira como alguém vê, entende e lida com Deus e, genericamente com o Desconhecido. O conceito geral é mostrar a inocência e ignorância do homem perante qualquer coisa estranha e diferente. Por exemplo, o olhar da criança em frente a essa garrafa mágica, esse pote. Acho que isso e toda a atmosfera da tampa cria sentimentos "mágicos".

Falando de coisas boas: sentes este álbum como o vosso melhor trabalho até agora?
Acho que sim… sim. Acho que é o nosso esforço mais maduro em todos os termos. Composição, execução e produção.

Como descreverias a música de Between Visions & Lies para quem não vos conhece?
Poderia descrever a nossa música como metal melódico ou Progressive-Power Metal. Acho que os dois termos nos descrevem muito bem. Temos muitos elementos, alguns de Power Metal, outros de Progressive Metal e até mesmo alguns elementos étnicos. Quisemos ter uma variedade de elementos e sons neste álbum.

Como decorreram as sessões de gravação? Gravaram na Grécia, certo?
Sim, correto. A bateria, baixo e guitarras acústicas foram gravadas nos estúdios Warcry em Larisa. As guitarras ritmo e solo foram gravadas no estúdio de Nikos e Vasilis gravou os vocais no seu próprio estúdio também. Foi muito trabalho, mas realmente passamos por um grande momento a fazer isto. Escrever e gravar um álbum é um procedimento muito divertido e criativo que dá uma sensação muito gratificante.

E como aconteceu esta ligação à sueca Ulterium Records?
Assim que o álbum ficou concluído começámos enviá-lo para editoras de todo o mundo para ver se havia interesse e a Ulterium foi uma das que respondeu positivamente e nos ofereceu um contrato ao qual não poderíamos dizer "Não".

Têm algum vídeo retirado deste álbum?
Sim. Acabamos de lançar o vídeo de Rhyme Of The False Orchestra e as reações e comentários têm sido ótimos!

Há alguma tournée planeada?
Sim, estamos à procura de fazer tantos shows quanto possível agora. Começaremos na nossa cidade natal no dia 29 de janeiro. Depois vamos a Thessaloniki, em março, abrir para os Sanctuary. E também tentamos planear os nossos primeiros espetáculos fora do nosso país.

Obrigado Gus! Foi um prazer conversar contigo. Queres deixar alguma mensagem para os nossos leitores ou para os teus fãs?
O prazer foi meu! E obrigado pela possibilidade! Um grande obrigado aos leitores de Via Nocturna. Quanto aos fãs esperamos vê-lo todos na estrada. Metal On You! Tenham um ótimo 2015!

Sem comentários: