segunda-feira, 13 de abril de 2015

Entrevista: Lynn Allen


A coisa é simples – os Lynn Allen estão de regresso e Billy Pfeiffer assina um dos seus melhores registos, mantendo a sonoridade tão típica do coletivo americano. No meio dos seus intensos afazeres, o vocalista e guitarrista teve tempo para responder a Via Nocturna sobre este regresso, sobre o passado e, mais importante, sobre o futuro!

Olá Billy! Em primeiro lugar, agradeço a tua disponibilidade O vosso mais recente disco foi em 2009, não foi? O que fizeram durante todo este período?
De nada! Sim, 2009 ou 10... Uma vez que a música é o meu trabalho, estou sempre em atividade. Estamos sempre ocupados. Mas não estivemos a escrever música, apenas a tocar.

Uma banda que nasce nos anos 80, cruza os 90 e chega ao novo milénio em grande forma. Qual é o vosso segredo?
Na realidade não temos nenhum segredo. No entanto, acredito que tens que permanecer fiel a ti próprio. Não tentar ser algo que não se é e não seguir tendências. Eu gosto da música que escrevo e espero que as pessoas também gostem. Não seria capaz de escrever uma música num estilo que não gosto.

O vosso histórico line-up está aqui presente ou não?
A formação original está muito longe, mas não está esquecida... Reunimo-nos há alguns anos e filmamos um DVD/Blu Ray intitulado One Last Night. Ainda somos grandes amigos, mas atualmente estamos todos espalhados pelos Estados Unidos.

De qualquer das formas, Streetlight traz a vossa sonoridade de forma indiscutível…
Sim, acredito que sim! E fico feliz por perceberes isso. Estamos muito felizes com a direção e com o som.

Como é que chegaram à AOR Blvd Records? Este disco tem uma prensagem de apenas 500 cd’s. Será um lançamento de culto? Mas terão a oportunidade de fazer mais prensagens se a procura o justificar?
A AOR Blvd entrou em contacto connosco através de Kelv Hellrazor. Kelv e eu somos amigos há anos. Na realidade, não gosto que haja apenas 500 cópias físicas do CD, mas entendo porque eles fazem assim. Mas, somos livres para produzir as cópias físicas que quisermos se assim o decidirmos. No entanto, nos dias de hoje a maioria das pessoas compram música para os seus dispositivos pessoais através de sites digitais. É triste mas é a realidade. Quando cresci, comprar um álbum, olhar para o artwork e ler os créditos enquanto o ouvia foi uma experiência importante para mim. Estamos gratos à AOR Blvd por este lançamento e iremos trabalhar juntos no futuro. Sempre pensei que “culto” como um mistério. Se uma banda tem um culto de seguidores isso significa que eles são bons e não apenas suficientemente bons? Ou será que, simplesmente, eles não têm o marketing adequado por forma a levar a sua música ao lugar certo? Por exemplo... esta semana vou ver os Manic Street Preachers em Chicago. A maioria do meu círculo nunca ouviu falar deles, mas eu percebo que eles são bastante populares no estrangeiro? Esta não foi a questão média nesta entrevista... Ótima pergunta!

E a partir de agora, teremos lançamentos mais regulares dos Lynnn Allen?
Haverá mais lançamentos no futuro pela AOR Blvd. Assinamos um contrato para o fundo de catálogo. Mas isso leva-nos de volta à questão do CD físico. Ainda estamos a decidir se colocar cá fora singles pode ser o futuro. Teremos de esperar para ver, mas não vou parar de escrever música.

Muito obrigado, Billy. Foi um prazer fazer esta entrevista. Queres acrescentar mais alguma coisa?
Realmente não tenho nada a acrescentar... Só espero que gostem de Streetlight e agradecemos a tua entrevista!!! Obrigado!!!!

Sem comentários: