quinta-feira, 30 de abril de 2015

Review: Behind The Black Veil (Dark Sarah)

Behind The Black Veil (Dark Sarah)
(2015, Inner Wound Recordings)
(5.5/6)

Depois de quatro álbuns com os Amberian Dawn, a vocalista Heidi Parviainen decidiu sair e seguir uma carreira a solo. Com uma forte formação ao nível do canto lírico e clássico, Heidi apresenta sempre a sua poderosa voz (poderosa em todos os sentidos: timbre, colocação, domínio, emotividade) como o principal instrumento utilizado na sua música. Naturalmente surgiu o projeto Dark Sarah e o álbum de estreia, Behind The Black Veil, apresenta a história de Sarah, uma mulher abandonada no altar pelo noivo no dia do seu casamento. A partir deste ponto desenvolvem-se uma série de capítulos num total de 14 temas fortemente orquestrados, com estruturas e arranjos ricos e complexos quer nos instrumentos rockeiros quer nas orquestrações. Logo a abrir, Save Me, mostra-nos que, provavelmente desde Once dos Nightwish que ninguém se atrevia a fazer symphonic female metal com este calibre. Um trabalho vocal de suprema classe, orquestrações sublimes, melodias mágicas. A partir de Poison Apple, o equilíbrio entre o metal e o sinfónico/orquestral é restabelecido, embora, como se confirmará no resto do álbum, mantendo cada um o seu espaço bem definido e perfeitamente percetível fruto de uma produção criteriosa e de grande rigor e clareza. Os mais sensacionais momentos estão guardados para temas como Violent Roses e A Grim Christmas Story, onde a componente de teatralização é extraordinariamente bem conseguida, estando muito próximo dos musicais clássicos da Broadway (Cats, Phantom Of The Opera). Noutra vertente, temas como Hide And Seek e Sarah’s Theme, são quase despidos de intensidade instrumental mas são intensos em termos emotivos. Em tons de lamentação mostram na perfeição a dor de Sarah. No polo oposto, um conjunto de temas, a maioria, realmente bombástico, simultaneamente heavy, sinfónico, orquestral e cinematográfico. Entre alguns convidados destaque para Tony Kakko (Sonata Arctica) que divide os vocais em Light In You, Manuela Kraller (ex-Xandria) em Memories Fall e Inga Scharf (Van Canto) em Evil Roots. Para que conste, as brilhantes orquestrações a que nos referimos estão a cargo de Mikko Mustonen. E são de tal forma grandiosas que basta fecharmos os olhos para nos sentirmos num filme de proporções épicas. Numa altura em que dificilmente alguém apostaria num álbum de metal sinfónico com voz feminina, os Dark Sarah e Behind The Black Veil vêm mostrar que ainda é possível fazer, dentro deste género, um álbum de classe e capaz de se tornar inovador a atraente.  

Tracklist:
01. Save Me
02. Poison Apple
03. Hide And Seek
04. Memories Fall [feat. Manuela Kraller]
05. Evil Roots [feat. Inga Scharf]
06. Violent Roses
07. Hunting The Dreamer
08. Fortress
09. Silver Tree
10. Sun, Moon And Stars
11. Light In You [feat. Tony Kakko]
12. Sarah's Theme
13. Memories Fall [orchestral version]
14. A Grim Christmas Story

Line-up:
Heidi Parviainen – vocais
Erkka Korhonen – guitarras
Sami-Petri Salonen - guitarras
Rude Rothstén - baixo
Lauri Kuussalo – bateria

Convidados:
Kasperi Heikkinen [U.D.O., Merging Flare] - guitarras
JukkaKoskinen [Wintersun] - baixo
Teemu Laitinen - bateria

Internet:

Sem comentários: