quinta-feira, 4 de junho de 2015

Review: Non-Euclidean Spaces (Anthropia)

Non-Euclidean Spaces (Anthropia)
(2015, Adarca Records)
(5.5/6)

De França chega-nos uma das mais agradáveis surpresas do prog metal deste ano – o novo trabalho dos Anthropia. Um álbum conceptual baseado nos mitos de Cthulhu e uma forma de homenagem a H. P. Lovecraft. Musicalmente, Non-Euclidean Spaces apresenta arranjos excêntricos, multicamadas, ritmos empolgantes, elementos sinfónicos dispersos mas introduzidos a preceito, sucessivas mudanças rítmicas e melódicas com a guitarra clássica muito presente e a criar passagens cheias de misticismo. Vocalmente há aqui imensa riqueza com vocais essencialmente femininos, mas também com masculinos, coros e narrações a tornarem bastante diversificada a apresentação. Mas preparem-se: Non-Euclidean Spaces não é um disco fácil de digerir. Vão necessitar de fazer algumas audições, porque há sempre qualquer coisa nova a aparecer. Falar dos convidados (pelo menos de dois devido ao seu peso) pode ser feito, embora deva ser referido que este disco é muito bom pela música que lá está e seria sempre muito bom mesmo que Arjen Lucassen não servisse de narrador nem Edu Falaschi dividisse os vocais em The Snake Den. Do lado dos convidados menos conhecidos temos Laurent Tardy (piano em The Part Of Them In Me) e Pascal Allaigre (solo de guitarra em The Snake Den). Aconselhamos vivamente este disco a todos os fãs de metal progressivo, mas do metal progressivo verdadeiro – daquele que é arrojado, arriscado, que apresenta um intenso trabalho ao nível de composição e de execução. Não aquele que apenas tem um guitarrista virtuoso. E aconselha-se a ouvir temas como The Part Of Them In Me (o mais longo tema perfeitamente delineado onde nenhum pormenor foi deixado ao acaso), When The Stars Come Right (introdução de elegantes jogos vocais), Crawling Chaos (verdadeiramente multidimensional e a única que se aproxima de Ayreon), The Snake Den (mais numa linha power metal), Fuoco (sensacional instrumental que cruza de forma brilhante metal com flamenco) e o fecho com a jazzística (pelo menos no trabalho de baixo) Credits. Indiscutivelmente, Non-Euclidean Spaces – um disco a descobrir e apreciar!

Tracklist:
1.      Strange Aeons
2.      The Melancholy Of R. C.
3.      Silver Twilight Lodge
4.      The Part Of Them In Me
5.      Unknown Kadath
6.      Seeds Of Decay
7.      When The Stars Come Right
8.      Crawling Chaos
9.      The Snake Den
10.  Lost In Time And Space
11.  Credits

Line-up:
Hugues Lefebvre – guitarras, vocais
Nathalie Olmi – vocais
Yann Mouhad – guitarras
Julien Negro – baixo
Damien Rainaud – bateria

Convidados:
Arjen Anthony Lucassen – narrações
Edu Falaschi – vocais em #9
Laurent Tardy – piano em #4
Pascal Allaigre – guitarra solo em #9

Internet:

Edição: Adarca Records 

Sem comentários: