sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Entrevista: Thom Douvan


Guitarrista e compositor, Thom Douvan é originário de Ann Arbor, Michigan, onde cresceu a ouvir o som Motown. Daí a ter tocado com regularmente com quatro dos Funk Brothers foi um pequeno passo. Apesar de toda a experiência, só em 2008 se aventurou numa experiência a solo com o disco So Shall We Learn ao qual se seguiu Brother Brother, em 2014 e agora All Over Again – disco que nos levou a ter esta enriquecedora conversa com um dos melhores guitarristas de jazz fusão da atualidade.

Olá Thom, como está? Obrigado por esta entrevista.
Ótimo, o prazer é meu!

Pode falar-nos um pouco do seu background musical e do seu currículo?
Claro! Nasci e cresci em Ann Arbor, Michigan. Comecei a trabalhar na música depois de ter visto os Beatles no Ed Sullivan Show. Ann Arbor foi um viveiro de música. Os Ann Arbor Blues e o Jazz Festival trouxeram grandes músicos até Ann Arbor a partir de 1969. Neles se incluíam Muddy Waters, Howlin 'Wolf, Freddie King, Magic Sam, Duke Ellington Orchestra, Count Basie Orchestra, Sun Ra, Leon Thomas, etc. Todos que tive a oportunidade de ver enquanto jovem adolescente. Além disso, muitos dos professores das Escolas Públicas de Ann Arbor trabalharam para a Motown Records como músicos. Aqui se incluí o grande trompetista de jazz Louis Smith que orientou uma das minhas primeiras bandas de jazz no ensino secundário.

O som Motown teve grande influência no Thom Douvan artista? Ainda é um movimento importante na sua carreira como artista solo?
Absolutamente! Tive a sorte de tocar regularmente com quatro dos Funk Brothers - os músicos de estúdio da Motown que tocaram em todos os discos de sucesso. Eles eram Johnny Griffith, Pistol Allen e Joe Hunter. Eram meus amigos muito queridos e aprendi muito com eles sobre tocar e criar groove.

E a respeito do seu novo álbum? Como decorreu todo o processo criativo desta vez?
O meu novo álbum All Over Again é composto quase exclusivamente com canções originais minhas (exceto um tema de Kenny Burrell, Then I Met You). Aqui, tive muita sorte em trabalhar com algumas estrelas do jazz e fusion incluindo o pianista Mitchel Forman, o baixista Jimmy Earl e percussionista Luis Conte. Mitch, em particular, demonstrou um grande interesse nesse projeto. E foi um prazer trabalhar com ele, adicionando os seus toques criativos em cada turno. Jimmy Earl deu-me o melhor elogio. Quando estávamos a ouvir os playbacks no estúdio, Jimmy exclamou: "Nós soamos como uma banda!" Acho que isso é realmente verdade: houve tanta empatia entre os músicos e eu que que estabelecemos um sentimento de uma verdadeira banda no estúdio.

Olhando para trás, como é que analisa a sua evolução desde So Shall We Learn?
So Shall Will Learn foi o meu primeiro CD auto-produzido. Foi uma boa experiência. No entanto, aprendi ao longo do caminho a importância de trazer outras pessoas criativas para ajudar a produzir. No meu segundo disco, Brother Brother, colaborei fortemente com o fenómeno do órgão de Detroit, Duncan McMillan. Duncan ajudou nos arranjos de muitas das músicas que decidimos tocar. Em All Over Again trouxe um coprodutor oficial, o meu engenheiro de mistura e saxofonista Michael Parlett. Mike tem trabalhado no jazz mais suave e acrescentou um polimento sofisticado neste novo registro com o qual estou muito satisfeito.

Ainda antes do seu primeiro lançamento a solo, teve muitas experiências com vários artistas, certo? Com quem teve mais prazer de trabalhar?
Antes do meu primeiro disco, trabalhei em Detroit com os já mencionados Funk Brothers durante muitos anos: os pianistas Johnny Griffith e Joe Hunter e o baterista Pistol Allen. Também apoiei o cantor soul dos anos sessenta Jimmie Delphs que teve muita popularidade no circuito British Northern Soul pelos seus hits Don’t Sign The Papers (I Want You Back), Mrs. Percy, Almost (But Not Quiet) e Dancing A Hole In The World.

Como se proporcionou o contacto com todos os grandes músicos que tocam consigo neste álbum?
Normalmente, por telefone ou e-mail. (risos). Mas, falando a sério, o meu baterista Michael Barsimanto tocou nos meus dois discos anteriores. Ele trabalhou com Mitchel Forman em várias bandas, incluindo os ex-membros dos Police, Andy Summers e Rickie Lee Jones. Michael foi recomendado Mitchel e Jimmy Earl. Por sua vez, Mitchel aconselhou o cantor de soul Rob McDonald. É o tipo de escalada em cada músico recomenda outros.

Como foi o método de trabalho com os seus convidados?
Como disse, este disco foi um esforço real de colaboração. Trouxe as músicas para estúdio e ensaiamo-las uma ou duas vezes antes de as gravar. Particularmente, Mitchel Forman foi maravilhoso na reorganização das secções das minhas canções em estúdio. Mitch deu sugestões e 9 vezes em cada 10 seguimos essas sugestões. Gravamos primeiro o trio de piano, juntamente com um scratch de guitarra (embora algumas destas faixas descartáveis ​​acabassem por ser usadas no disco). Eu refiz a maioria das partes de guitarra e comecei na mesma noite em que as pistas de ritmo foram gravadas. Mais tarde, fizemos overdubbes nos sopros, vocais, no violino de Mads Tollings e na percussão de Luis Conte.

Trabalharam juntos em estúdio ou não? Como geriu todo o processo de gravação com tantos músicos?
Queres saber se me cruzei com estes músicos no estúdio de gravação? Sim, especialmente nos casos do baterista Michael Barsimanto e do saxofonista Michael Parlett. Eles têm estado em várias gravações onde eu toquei, incluindo o disco do cantor e compositor Michael Patch Mighty Engine Roll.

Considera que conseguiu alcançar neste disco todos os objetivos que tinha em mente?
Sim, estou absolutamente satisfeito com o produto final. Acho que não há nada que eu quisesse mudar.

Sim, pelo menos, os charts e as reviews têm dado um bom feedback...
Sim, estou muito satisfeito com a resposta das rádios adultas contemporâneas e de jazz e com os vários comentários que temos recebido.

Muito obrigado Thom! Desejamos-lhe tudo de melhor. Quer acrescentar mais alguma coisa?
Muito obrigado por ouvires o disco, fazer perguntas inteligentes e pelo teu apoio! Foi uma entrevista divertida.

Sem comentários: