quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Review: In Deep Waters (Molllust)

In Deep Waters (Molllust)
(2015, Independente)
(5.4/6)

Com um álbum de originais e um EP onde metalizam temas de Bach, os Molllust viviam no limiar da projeção internacional. A sua opera metal era boa, as versões também, faltava a confirmação. Ora aí está ela e ainda por cima confirmada pelo convite para fazerem a tournée com os Orphaned Land. In Deep Waters é o sempre muito difícil segundo álbum, mas a banda de Janika Groβ foi fiel a si própria, criou e desenvolveu um conjunto de temas onde o epiteto de opera metal encaixa que nem uma luva. Porque gente a fazer metal adicionando uma cantora lírica há muito. E isso não é, apesar de muitas vezes chamado, opera metal. O que não há muita gente a fazer é o que os Molllust fazem. Não só a existência de violinos, violoncelo, piano, coros e canto lírico. A opera metal dos Molllust é muito mais que isso. Mesmo que às vezes pareça exagerado o desempenho vocal ou que as canções não se mostrem muito easy listening. E isso só acontece porque as estruturas e arranjos dos Molllust são verdadeiras estruturas e arranjos clássicos e criados para a ópera. A ideia com que se fica quando se ouve In Deep Waters é que os Molllust descobriam uma qualquer peça esquecida de um qualquer compositor desconhecido de há uns séculos atrás e sobre isso adicionaram a parte metálica (bateria, baixo e guitarra). Isto só para terem uma ideia da veracidade e da autenticidade destas composições em termos de classicismo/ópera. A formação clássica de Janika facilita esta forma de criar as canções e o virtuosismo dos músicos (clássicos e metálicos) permite a sua execução em formato orquestra. Uma palavra final para a variedade linguística. Em In Deep Waters temos temas cantados em quatro línguas (alemão, francês, inglês e italiano). Falta o português, provavelmente numa próxima.

Tracklist:
1.      Ouvertüre Nr. 1
2.      Unschuld
3.      Evenfall
4.      Paradis Perdu
5.      Voices Of The Dead
6.      Paradise On Earth
7.      Spring
8.      Lampedusa
9.      König Der Welt
10.  Number In A Cage
11.  Papa
12.  Passage Nostalgique
13.  Sabrina
14.  Erlkönigs Töchter
15.  Traumwelt

Line-Up:
Janika Groβ – vocais, piano
Frank Schumacher – guitarras, vocais
Sandrine B. - primeiro violino
Luisa B. - segundo violino
Lisa H. – violoncelo
Clemens Frank – bateria
Simon Johanning – baixo elétrico
Carsten Hundt - contrabaixo
 
Internet:
Website     
Bandcamp    
Twitter     

Sem comentários: