segunda-feira, 7 de março de 2016

Entrevista: Slap Betty

Os Slap Betty têm muitas histórias para contar, mas a mais importante é a sua nova e sensacional colecção de temas de honesto rock ‘n’ roll. Tudo o resto que se conta, e que naturalmente falamos com o vocalista e guitarrista Teemu, não deve servir para desviar as atenções do que realmente é importante: que estes finlandeses realmente lançaram um disco do caraças!

Olá Teemu! Obrigado pelo teu tempo e parabéns pelo vosso excelente álbum. Afinal, quem são os Slap Betty? Podes apresentar a banda aos rockers portugueses?
Muito obrigado! Slap Betty é um quarteto de rock originário de Kemi, uma pequena cidade do norte da Finlândia. Somos:
Teemu Yle Nikka - vocais e guitarra
Juhana Lantta - guitarra
Antti Toppinen – baixo e backing vocals
Juuso Kumpulainen - bateria
Estamos juntos desde 2007, lançamos cinco EP`s e um longa-duração antes deste Nothing Out Of Nothing. Se gostam de punk hard rock sujo, honesto e de alta energia venham ver-nos aqui!

Nothing Out Of Nothing é, pois, o vosso novo e eletrizante álbum. O que tens a dizer sobre ele, principalmente em comparação com os vossos lançamentos anteriores?
Bem... Para mim, este é um álbum mais completo em comparação com o nosso álbum anterior 94720. Em 94720 as canções foram escritas ao longo de um período de tempo mais alargado e também havia regravações de temas dos nossos EP`s. Em Nothing Out Of Nothing, todas as músicas foram escritas para o álbum num curto período de tempo.

Como foi o vosso método de trabalho desta vez? Semelhante ao dos álbuns anteriores?
Nothing Out Of Nothing foi gravado, misturado e masterizado nos D-Studio, Klaukkala por Jarno Hänninen. É um grande estúdio e realmente adequado à nossa banda. Quando vamos para estúdio gostamos de trabalhar 24 horas por dia/7 dias por semana e de nos concentrarmos a 100% no que estamos a fazer. Os D-Studio estão longe de tentações e com as câmaras para dormir, basicamente, poderíamos trabalhar sempre que queríamos. Quanto ao método de escrita, basicamente, foi o mesmo de sempre. Os meus riffs e os de Juhana juntos, misturados com toda a banda e as minhas letras por cima. Tenho que mencionar que fiquei deveras satisfeito com as letras neste trabalho.

O vosso último lançamento foi em 2013, certo? Por quê três anos de ausência?
Realmente demorou um pouco de tempo. Não foi por falta de inspiração nem nada disso. As razões foram tão vulgares como ter sido pai e pequenos problemas no trabalho pessoal, que nos levou a ficarmos separados na Finlândia.

Isto leva a outra pergunta: quanto tempo trabalharam neste álbum?
Bem, nós tivemos em estúdio duas vezes. A primeira no verão de 2014 e a segunda no verão de 2015. As razões para isso estão esclarecidas na resposta anterior. Mas depois de todo esse tempo surgiram coisas boas para o disco. Fizemos algumas alterações importantes nas músicas gravadas em 2014, quando entramos estúdio novamente. Já as tínhamos tocado ao vivo e até escrevi algumas das letras de novo a partir do zero.

É engraçado porque a vossa discografia inclui mais EP’s do que álbuns. Há alguma razão para essa opção?
Demorou algum tempo até encontrarmos os parceiros certos para trabalhar. Os EP`s foram totalmente autofinanciados, com o máximo de cinco músicas e que foram grandes lições para nós antes do primeiro longa-duração. Quando ouço hoje os primeiros EP`s tenho que dizer que estou muito feliz por termos esperado alguns anos pelo longa-duração.

O que tentam dizer na vossa canção dedicada ao ex-Primeiro Ministro finlandês e atual Ministro das Finanças?
Ele é um hipócrita, arrogante, mentiroso e covarde. Um fantoche ambulante que canta as canções que as empresas dizem para cantar. Todas as suas ações são orientadas para as elites e não para as pessoas. Realmente espero que ele obtenha o que merece.

Podes contar essa história curiosa de terem desligado a eletricidade aos Backyard Babies?
Abrimos para eles em Tornio, Finlândia, numa grande conferência de tatuagens. Era uma noite muito fria de fevereiro e o autocarro estava ligado por causa do aquecimento. Começamos o nosso set e à quarta canção houve algum tipo de pico elétrico e todo o local ficou às escuras. Alguns eletricistas conseguiram resolver o problema e 45 minutos depois a eletricidade voltou e os Backyard Babies fizeram o seu set. Mas o nosso grande espetáculo de abertura foram apenas quatro músicas.

Também é verdade que o vosso guitarrista esteja frequentemente perdido? Tens alguma ideia onde ele possa estar agora ou está perdido novamente (risos!)?
Sim, Juhana é uma prova viva de que o estilo de vida rock ‘n’ roll ainda existe. Acho que agora está em Vantaa, mas com Juhana nunca se sabe! Embora ele apareça sempre que é necessário!

Porque são considerados como a banda mais indisciplina da vossa cidade?
Acho que ele é mais por causa da nossa atitude. Nós somos uma banda humilde e disciplinada, mas quando decidimos fazer alguma coisa - fazemo-la.

Projetos para os próximos tempos? O que têm em mente?
Iremos filmar um novo vídeo o mais cedo possível e algumas novas canções estão já na mesa. Vamos ver… Agora, esperamos fazer o máximo de espetáculos possível!

Muito obrigado Teemu! As últimas palavras são tuas...
Obrigado, foi um prazer! Encontrem-nos no facebook, Spotify e youtube. Ouçam, apaixonem-se e espero encontrar-vos um dia em Portugal!

Sem comentários: