sexta-feira, 29 de abril de 2016

Entrevista: DJ A Boy Named Sue

Tiago André, aka Dj A Boy Named Sue é provavelmente o mais icónico e versátil dj do mundo do rock'n'roll em Portugal. Os seus sets caraterizam-se por uma forte vertente rock’n’roll, nos quais visita sonoridades Rhythm & Blues, Soul, Surf, 60’s, Latin Grooves, Exotica, Psych, Garage ou Punk Rock, uma espécie de máquina do tempo, que cria laços entre os grandes clássicos e as novas vertentes da música contemporânea, onde playlists ou sets pré-definidos não têm espaço. Em plena tournée nacional fomos conhecer este verdadeiro mestre-de-cerimónias.

Olá Tiago, tudo bem? Um DJ de rock ‘n’ roll… Como surgiu isto na tua vida? O que motivou a começar?
Olá, tudo bem. Foi por volta de 2001 em Coimbra. Por um lado, não me identificava com o panorama da oferta musical na cidade e sentia que havia mais como eu. Por isso decidi tentar criar um ‘espaço’, noites, festas, que fossem uma alternativa ao que havia e onde as pessoas se pudessem divertir a ouvir outros tipos de música. Por outro, desde cedo tive vontade de partilhar com os outros as coisas e as músicas que ia descobrindo.

Há quanto tempo andas nestas andanças?
Há cerca de 15 anos, creio que a primeira noite que passei música foi no Verão de 2001.

E como surge esse nome artístico?
Surge duma música do Johnny Cash da qual eu gosto muito. É uma música que fala da história dum rapaz, o qual o pai baptizou com o nome de Sue (nome de mulher), e que depois abandonou. Fala do difícil que foi para ele crescer e viver com esse nome, e do seu ódio pelo pai. Mas no final da música pai e filho encontram-se e o pai explica-lhe que lhe deu esse nome porque sabia que não ia estar ao lado dele para o ajudar, e que foi esse nome que fez dele um homem forte e capaz de enfrentar as dificuldades e vicissitudes da vida.

Exatamente qual é o teu papel? Atuas sozinho, depois dos concertos… como é o teu modus operandi?
Já passei música nos mais variados tipos de eventos e nas mais diversas combinações. Posso fazer uma noite completamente sozinho, posso passar música antes e/ou depois dum concerto (em modo warm up e/ou after party) ou posso fazer uma noite com mais um ou dois djs (normalmente neste caso tratam-se de noites e festas específicas e temáticas). Depende sempre das particularidades de cada evento.

Pistas de dança, eventos, festivais é o teu mundo. Mas tens alguma preferência?
Acho que gosto de tudo, num festival, obviamente consegue-se chegar a mais gente. Num clube tem a parte boa de se estar cara a cara com as pessoas, há uma proximidade e uma interação maior. Também gosto muito de passar música ambiente mais calma, mas decididamente não há sensação melhor que ver uma multidão de pessoas a dançar, a divertir-se e a delirar ao som das músicas que passo.

Portanto sets predefinidos para ti não existem…
Sim, os meus sets são sempre diferentes. Por um lado é preciso muito trabalho de casa, todos os fins-de-semana tenho de re-arrumar os discos consoante o sítio onde vou e é preciso conhecer muito bem os discos que levo. Por outro é preciso adequar-me às pessoas que estão no local. Nunca tenho nada predefinido. Quase sempre escolho a música ou construo uma sequência exatamente no momento. É preciso ‘ler’ as pessoas e as suas reações e perceber que músicas passar e que direções e dinâmicas tomar ao longo da noite. Tem que haver uma sintonia entre público e dj.

Estás agora a meio de uma tour nacional. Serão várias datas, essencialmente no sul. Há alguma razão para o Norte ficar limitado a duas datas e mais duas no centro do país?
Não, quer dizer, vivendo em Lisboa é natural que me seja mais fácil passar música nesta zona. Mas neste momento estou a ir a Braga e ao Porto praticamente uma vez por mês, já tenho ido a Santo Tirso, Ovar.. . e tenho contactos para ir a mais sítios. Comparado com o Algarve, Alentejo ou interior até creio que o Norte está muito bem. É algo que não depende apenas de mim.

E estás a preparar algum set específico para cada uma dessas noites ou irás atuar ao sabor da inspiração do momento?
Como disse antes, faço sempre uma pré-escolha com base no que sei dos locais ou eventos onde vou, mas levo sempre imensos discos. Mas cada noite é uma noite diferente e é sempre no momento que decido que músicas vou passar e como as vou passar.

Há algum tema (ou temas) que obrigatoriamente tenham que ser incluídos no teu set? Porquê?
Não, há músicas que passo muitas vezes, mas não há nenhuma obrigatória, às vezes termino com uma certa música, mas mesmo essa vai variando.

A lista de bandas para quem já fizeste after partys é imensa e nem poderíamos estar aqui a falar de todas. Pergunto-te apenas uma ou duas que te tenham marcado fortemente.
Uma que me marcou bastante foi quando fiz a after party do concerto dos The Sonics e do Dick Dale no Plano B, no Porto. Era uma data única no país, por isso estava gente de todos os cantos de Portugal que eu já conhecia. Ver essas pessoas todas juntas na mesma sala e fazê-las dançar durante umas 4 horas foi algo inesquecível. Outra foi no Bafo de Baco em Loulé, depois dum concerto dos Heavy Trash (banda do Jon Spencer) que acabou comigo a passar música com ele. Ainda outra, se me permites, foi no extinto Le Son, em Coimbra, depois dos Dead Kennedys. Estava esgotado com cerca de 600 pessoas, o concerto foi muito bom e todo o ambiente era arrepiante.

E em termos de festivais, qual ou quais foram mais marcantes para ti?
Uma das experiências mais marcantes foi passar música numa festa do Festival de Cinema de Cannes, numa praia. Outro, completamente oposto foram os 2 últimos anos no Festival Reverence Valada, onde passei música à tarde e à noite. Todo o ambiente do festival é incrível.

Como surge a tua ligação aos The Legendary Tigerman? Qual é a tua função neste projecto?
Eu e o Paulo Furtado conhecemo-nos antes, ainda durante os Tédio Boys, para os quais trabalhei como técnico de luz. Tornámo-nos rapidamente grandes amigos e curiosamente o The Legendary Tigerman (assim como os Wraygunn) nasceram na minha garagem. Comecei como técnico de luz, mas desde essa altura já fiz um pouco de tudo, técnico de vídeo, road manager, roadie... Neste momento faço o trabalho de roadie e de técnico de vídeo.

E tem sido uma longa ligação. Lembras-te de alguma história, assim mais estranha ou bizarra ou engraçada que te tenha acontecido?
Muitas... mas lembro-me duma, logo no início, creio que foi num dos primeiros concertos de Natal, na noite de 24 dezembro (talvez 2000 ou 2001?) no antigo Hard Club, em Gaia, íamos os dois no carro antigo dele (um Karmann Ghia dos anos 60/70) com o material e rebentou o motor a 3 km da área de serviço da Antuã (chamas e fumo incluído). Empurrámos o carro até à área de serviço e ficámos à espera duns amigos que iam ver o concerto para nos darem boleia.

Muito obrigado Tiago! Queres acrescentar mais alguma coisa que não tenha sido abordada?
Acho que não, espero que as pessoas venham dançar e divertir-se ao som da música que passo nos mais variados sítios e que haja cada vez mais oportunidades para se ver e ouvir rock um pouco por todo o lado.

Sem comentários: