quinta-feira, 7 de abril de 2016

Entrevista: Section A


Após um hiato de seis anos Torben Enevoldsen readquiriu novas energias e levou o seu projeto Section A com Wall Of Silence a um superior patamar de qualidade, partindo, exatamente, do ponto onde havia ficado com a edição de Sacrifice. Muitas foram as mudanças incluindo um novo vocalista e uma nova editora, e todos estes assuntos foram tema para a conversa que tivemos com o mentor do trio dinamarquês.

Viva Torben! Obrigado pela entrevista! Wall Of Silence é o vosso novo álbum, seis anos depois do anterior. O que aconteceu?
Muitas coisas aconteceram desde o lançamento de Sacrifice em 2010. Estive muito ocupado com outros projetos e com a minha banda, Fate. Além disso, sentia-me num vazio e nada me inspirava a escrever um novo álbum. Nessa altura conheci Nicklas Sonne, o nosso novo vocalista, através de um aluno meu. Ele é muito talentoso, com muita energia e incentivou-me um pouco para iniciar uma colaboração. Gosto de trabalhar com Andy Engberg, sempre gostei, e ele continua a ser um dos meus cantores favoritos, mas também estava muito ocupado com outros projetos e bandas. Assim o tempo passou e finalmente decidi fazer algumas mudanças definitivas e fazer um novo disco dos Section A, desta vez com Nicklas nos vocais.

Precisamente, tens um novo vocalista. O Nicklas teve oportunidade de cooperar no processo de composição?
Sim, muito mesmo. Enviamos sucessivamente ficheiros um para o outro durante um longo período até estarmos completamente satisfeitos com tudo. Nessa altura ele começou a gravar os vocais e eu incentivei-o a ser ele próprio tanto quanto possível.

Então ele teve uma boa adaptação à banda?
É um prazer trabalhar com Nicklas e está sempre a esforçar-se por melhorar. Eu sou um pouco perfecionista e é sempre mais fácil trabalhar com outros músicos de elevado padrão que se esforçam.

Portanto, tanto tempo depois, é normal falar-se de uma continuação natural do que vocês fizeram nos três primeiros álbuns?
Eu diria que este novo álbum é muito mais Section A, tanto no estilo como na escrita das canções. Nicklas tem uma grande voz que se encaixa muito bem com o estilo. Ele escreveu todas as letras, pelo que a principal mudança, além da voz de Nicklas, claro, poderia muito bem ser liricamente. Fora isso, acho que é precisamente o que seria de esperar de um álbum dos Section A.

Este é o primeiro lançamento para a Mausoleum Records depois de três álbuns através da Lion Music. O que esteve na base dessa mudança?
O negócio mudou muito nestes últimos 6 anos e é cada vez mais difícil fazer face às despesas. Isto é verdade tanto para os artistas como para as editoras. Todos estamos na luta. A Lion Music deixou de lançar álbuns físicos e essa foi realmente uma das principais razões pelas quais decidi mudar de editora. Os fãs ainda estão interessados ​​em comprar o CD e eu queria que este álbum estivesse disponível em CD.

A criação deste álbum foi um esforço de equipa ou foste apenas tu o responsável?
Eu escrevi todas as músicas e Nicklas escreveu todas as letras, mas não ditamos o que os outros deveriam fazer. Simplesmente transmiti aos outros as minhas ideias e, em seguida, eles colocaram o seu cunho pessoal em cada canção. Estou sempre muito aberto a sugestões e ideias e é bom verificar como os outros se sentem ao investir numa canção.

Julien Spreutels foi convidado para tocar todos os solos de teclado. Nunca sentiste necessidade, eventualmente, de recrutar um membro definitivo?
Isso é verdade, mas não é a primeira vez que temos músicos convidados em Section A. Na verdade, já é uma tradição de ter vários teclistas-solo nos nossos álbuns. Derek Sherinian (Planeta X, Ex-Dream Theater), Günter Werno (Vanden Plas), Mats Olausson (Ex-Yngwie Malmsteen) e Lasse Finbråten (Circus Maximus) foram os convidados que fizeram os solos de teclados nos nossos últimos 3 álbuns. De momento, não há nenhuma necessidade real para ter um membro permanente, mas tenho, naturalmente, considerada essa possibilidade e pode muito bem acontecer em algum momento no futuro.

A capa do álbum é muito bonita! Quem foi o responsável?
Concordo completamente. Esse trabalho foi feito por Didier Scohier. Ele já trabalhou com os Asia e Cinderella e é, de facto, uma pessoa muito talentosa.

Possibilidades para levar Wall Of Silence para palco… O que tens programado?
Infelizmente, nesta altura, não temos planos para uma tournée com os Section A. Esperamos que isso possa mudar, é claro. É sempre um prazer especial tocar ao vivo. Esperamos ser capazes de o fazer mais tarde.

Muito obrigado, Torben! As últimas palavras são tuas...
Obrigado por me fazeres esta entrevista. Espero que todos que a venham a ler possam ir ouvir a nossa música e visitar-nos online.

Sem comentários: