sábado, 30 de abril de 2016

Review: Am Ende War Der Mensch (Larrikins)

Am Ende War Der Mensch (Larrikins)
(2016, Rüngencore Records/Cargo Records)
(5.9/6)

Ao se ouvirem os dois primeiros temas de Am Ende War Der Mensch dos Larrikins estamos longe de pensar na evolução que este disco tem nestes 14 temas. Esses dois primeiros temas são heavy sujo com vocais rasgados, enérgicos e com atitude punk. Como um cruzamento entre Motorhead, Gluecifer e afins, mas com a língua alemã a funcionar como mais um elemento de agressividade. A primeira grande surpresa surge logo em Waeren Alle Menschen Gluecklich, tema de grande musicalidade com um piano a lembrar o trabalho dos InLegend. Mas outras e maiores surpresas estão ainda aguardadas, sempre alternadas com aquele estilo de riffs graves e sujos e vocais roucos. Depois de uma impressionante cavalgada metálica em Kopie, Wer Weiss Noch apresenta ritmos de reggae/ska com trompetes incluídos e Zeit é um tema de superior qualidade, beleza e de uma enorme criatividade. Esta secção é, de facto, brilhante, e se dúvidas havia quanto à capacidade dos Larrikins ficam aqui, definitivamente, enterradas. Depois há tempo para a força voltar em dois temas com devastadores e possantes com estruturas thrash (Wut e Rampenlicht), mas também há espaço para guitarras acústicas na brutal Glashaus e em So Wie Frueher, onde volta o trompete, acompanhado de vocais femininos num tema que nos leva para os Lacrimosa. Diversificado, cheio de emoção e com sucessivas surpresas, Am Ende War Der Mensch tem tudo que se procura num disco, conseguindo criar diferentes ambientes sempre de grande qualidade.

Tracklist:
1.      Nummer 3
2.      Die Schuld Daran
3.      Waeren Alle Menschen Gluecklich
4.      Alles Auf Anfang
5.      Scheisse War Schon Immer Braun
6.      Kopie
7.      Wer Weiss Noch
8.      Zeit
9.      Sternenlos
10.  Glashaus
11.  Wut
12.  Rampenlicht
13.  So Wie Frueher
14.  Aufs Leben

Line-Up:
Felix – vocais
Tino – guitarras
Icke – baixo
Christian – bateria

Internet:
Website   
Facebook    
Youtube   
Instagram   

 Edição: Rüngencore Records/Cargo Records

Sem comentários: