segunda-feira, 2 de maio de 2016

Entrevista: The Raptor Trail


Os The Raptor Trail têm seguido o seu curso calmamente ao longo de 25 anos, mantendo viva a ideia de gravar qualquer coisa. E, de repente, o trio acordou e lança dois álbuns em dois anos. John Meyer foi o nosso interlocutor para nos falar deste New World.

Olá John! Como estás? Parabéns pelo vosso novo álbum. Como foi o processo de criação desta vez?
Olá, estou bem, obrigado! O processo de criação foi rápido! Matt e eu temos escrito centenas de músicas ao longo dos anos, por isso temos uma enorme biblioteca de ideias, mas mesmo assim ainda continuamos a escrever a um ritmo bastante elevado. Escrever música é uma das maiores sensações do mundo para mim. Vou fazê-lo até morrer e diria que com o Matt é praticamente a mesma coisa...

Afinal, podemos considerar este álbum mais orientado para o rock n roll?
Mais do que o primeiro CD? Não sei - provavelmente muito semelhante. Estamos muito dinâmicos e, provavelmente, ainda vamos ficar mais. Pessoalmente gosto de ir de um momento suficientemente calmo até outro suficiente para derrubar portas de aço. Gostamos de dar um pouco de variedade, ou pelo menos tentamos!

Um álbum com 12 músicas e 78 minutos deve ter dado muito trabalho. Quanto tempo trabalharam nele, mesmo considerando que o mais recente álbum foi lançado em maio 2015...
Começamos a juntar coisas para New World ainda antes do primeiro CD sair. Gravamos desde maio de 2015 até janeiro deste ano. O primeiro CD é quase tão longo, pelo que analisando o tempo médio de um CD, praticamente colocamos cá fora 4 álbuns em menos de um ano. O primeiro CD teve um bom bocado de material que já tínhamos escrito (embora tenhamos acabado por refazer tudo), e já tínhamos esboços também para este. Imagino que, se Matt, Gene e eu fossemos capazes de colocar todo o nosso tempo nisto, poderíamos tê-lo feito provavelmente num mês! Cada um de nós tem estúdios em casa, de modo que o fator conveniência é absolutamente ótimo. Nós podemos gravar as nossas partes sempre que temos o tempo e não estamos sob nenhum tipo de pressão. Isso ajuda!

É possível ouvir diversas influências do rock progressivo e sinfónico dos anos 70. Definitivamente são uma das vossas principais influências. Em que se mais se inspiraram para fazer este álbum?
Bem, estamos todos nos 50 e somos todos grandes fãs de muita música dos anos 70. Para mim, foi quando o rock atingiu o pico. Os artistas tinham muita liberdade para fazer o que quisessem sem as editoras a criarem dificuldades (ou, pelo menos, melhor do que tem sido desde então), e isso era visível na sua música. Falando por Matt e Gene, sei que somos todos os fãs de Pink Floyd, mas cada um de nós tem uma quantidade enorme de influências. Sempre gostei de Yes - certamente os sons de baixo de Chris Squire e as suas harmonias. Rush é outra influência, mas também fomos fortemente influenciados por bastante Southern Rock - vendo bem, somos originários do sul profundo. Também podes adicionar nomes como Deep Purple e Black Sabbath que tiveram um grande efeito na minha guitarra. E, honestamente, poderia estar aqui horas a falar de quem nos influenciou direta ou indiretamente. Portanto, sim - vais ouvir a influência de Floyd, mas só Deus sabe mais o quê. Também devo salientar que Matt toca em ambos os álbuns um instrumento chamado Guijo. É um corpo Stratocaster com um pescoço de banjo - sintonizado primariamente como um banjo - embora ele use afinações alternativas. Para confundir mais as coisas ele geralmente acaba por o tocar como um piano. Eu toco guitarra numa afinação bizarra em D - embora não seja uma afinação D padrão em tudo. Quando juntas os dois instrumentos obténs um som totalmente diferente para praticamente tudo. As pessoas pensam que é apenas uma Strat & Les Paul na afinação padrão e irão encontrar alguns bloqueios graves se tentarem tocar as nossas coisas - isso é certo! Finalmente, praticamente tenho que usar afinações alternativas no baixo. Basicamente, temos instrumentos normais de rock que são usados ​​de maneiras completamente não-tradicionais. Não sei se isso é bom ou mau, mas definitivamente faz-nos soar um pouco diferente das restantes bandas...

Pude reparar no vosso site que há uma página com "song stories”. Este é um álbum conceptual ou apenas histórias individuais?
Sim! E obrigado por o teres visitado. Ao longo destes anos sempre gostei de ouvir as histórias por trás das canções e como os artistas obtinham os sons, etc. Infelizmente, não cabe tudo isso numa capa de CD, por isso pensei que seria uma ideia engraçada ter algo parecido mas num web site. Como que ajuda a pintar o retrato de uma canção. Pode até fazer com que a música seja um pouco mais fácil de entender! Porém, New World não é um álbum conceptual, pelo que nestes dois primeiros álbuns, as histórias são apenas sobre cada música individualmente.

Ainda assim, qual é a principal história de New World?
Acho que te estás a referir à canção New World. Foi Matt que escreveu a letra. Surgi com a música e Matt disse que o sinistro riff descendente lhe lembrou os maus momentos da história. O primeiro verso fala da Guerra do Vietname, o segundo verso remonta à Segunda Guerra Mundial e a Hitler e, em seguida, o verso final concentra-se mais no Médio Oriente e na forma como a comunicação social prospera com todos os problemas lá existentes. Não estamos a escolher nenhum dos lados, basicamente dizemos que o mundo não está tão bom agora, mas também dizemos que sempre existiram problemas...

Achei curioso o facto de terem dado relevância a uma playlist onde tiveram airplay em Portugal. De todo inesperado, não?
Quando começamos tudo isto, sabíamos que o que estávamos a tocar não teria muitas hipóteses de ser tocado aqui na América. A situação atual da música nos Estados Unidos é muito triste hoje em dia. Há uma empresa principal (Clear Channel), que detém a maioria das estações de rádio. Eles só querem canções pop com 3-4 minutos. Evidentemente querem sempre o mesmo tipo de som. Tens que estar bem estabelecido - ou a tua editora pagar bem à Clear Channel - para haver novos grupos na rádio. Ainda existem algumas grandes estações de rádio americanas que tocam qualquer coisa sob o sol, mas infelizmente são muito poucas... O mainstream e a atual música americana (rock & música country) estão num barranco neste momento. Nem tudo é mau, mas a maioria é... Embora estivéssemos bem cientes disso através da leitura de vários artigos, era evidente que Portugal (bem como praticamente o resto do mundo fora dos EUA) tem uma mente muito mais aberta sobre a música do que aqui nos EUA. Depois de ver onde muita da nossa música está a ser vendida, afigura-se que a teoria estava correta! É absolutamente fantástico saber que ainda há pessoas neste mundo que estão de mente aberta sobre a música que não soa como tudo o resto e que uma canção longa de 6-7 minutos não os vai enviar a correr para as montanhas! Se uma música tem 2 horas de duração, não deve ferir os sentimentos de ninguém, se visita lugares diferentes e não se torna muito chata! Não posso descrever o quanto apreciamos o airplay que temos tido em Portugal. Estou feliz por estarmos a atingir algumas pessoas de uma forma positiva...

Porquê apenas dois álbuns numa carreira de 25 anos?
Bem - Gene e eu já nos conhecemo desde 1977. Começamos ambos a tocar por volta de 1980, e desde então temos estado em modo on/off. Conhecemos Matt por volta de 1988 e todos nos tornamos bons amigos. Eu entrei no mundo corporativo nos anos 90 e 00, mas Gene começou a tocar com Matt nos Jupiter Coyote e tiveram algum sucesso em 89 e nos anos 00. Já em 89, Matt e eu tínhamos falado em fazer algo mas estávamos obviamente em mundos diferentes. Finalmente há cerca de 2 anos atrás, uns amigos disseram-me "tens que te reunir com Mayes e fazer alguma coisa". Mandei-lhe a Gravity Times 10 do primeiro álbum dos The Raptor Trail e rapidamente se tornou óbvio que estávamos no caminho certo. Poucos meses depois de começarmos a gravar, Gene diz "Hey, estou a construir um estúdio em casa", o que fez toda a gente ficar feliz! Portanto, depois de tocar comigo desde 1980 e Matt desde '89, não haveria ninguém que pudesse entender melhor Matt e eu, por isso tem sido uma alegria absoluta. Ser capaz de criar e tocar a música que realmente gostas e começar a fazê-lo com dois dos teus melhores amigos é uma bênção que eu gostaria que mais pessoas nesta terra pudessem sentir... Imagino que provavelmente iremos continuar a fazer isto até que um de nós morra de velhice. Não é como um trabalho, de todo. E ainda há muito mais música para vir no futuro!

Exatamente, o futuro parece que vai ser diferente. Já li que têm algumas músicas novas prontas para o próximo álbum. É verdade? Qual será o caminho a seguir?
Sim. Esperamos começar o próximo álbum antes do final deste ano. Agora, vai ser um álbum conceptual. Isso pode soar um pouco datado, mas não me importo. Matt tinha começado a brincar com a ideia de uma peça como esta há mais de 20 anos atrás, mas nunca tinha surgido a oportunidade de o fazer. Já gravamos a maior parte, mas ainda há muito para ser feito.

E quanto a palco? Já houve alguma coisa ou têm planeado alguma coisa?
Nós não andamos em tour, pelo que estamos a seguir um caminho diferente da maioria das bandas. Matt vive em Brevard, Carolina do Norte, enquanto eu e Gene estamos em Macon, Georgia. Todos nós temos coisas diferentes e trabalhos em curso, de modo que faz com que seja ainda mais difícil. Dito isto, é muito, muito mais fácil para nós trocar ideias uns com os outros pela Internet, gravá-las e, depois, lança-las. O nosso plano é em vez de matar os nossos velhos burros na estrada, limitarmo-nos a continuar a manter muita música a cada ano. Steely Dan fez isso, embora nunca tenham sido mais que 3-4 álbuns de valor na altura. Porém, nunca digo nunca. Se algo que fizermos se destacar e surgirem promotores a correr atrás de nós com camiões carregados de dinheiro, isso provavelmente, irá mudar as coisas! E sim - se isso acontecer, nós estaremos indo para Portugal! De qualquer forma, entendemos que o tipo de pessoas que vão ouvir a nossa música será suficiente para que eles voltem e ouçam também as gravações anteriores. Eu e Matt provavelmente já devemos ter escrito mil canções. Eu sei que escrevi e gravei cerca de 300, portanto nunca estaremos numa fase onde ainda estaremos a tentar descobrir o que fazer. E mais - ainda escrevemos muito. Claro que muitas coisas não se enquadram em The Raptor Trail, mas temos um enorme catálogo para colocar essas ideias cá fora. No fim das contas - estamos a tentar fazer a maior parte disto através do passa a palavra. Se gostas – deixa que os teus amigos saibam. Se não gostas, bem, então não fales muito!

Bem John, muito obrigado!

Obrigado também pelo teu interesse em nós. E muito obrigado pelo apoio em Portugal. Adoramos-vos!

Sem comentários: