sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Entrevista: Lucifer's Friend

O Sweden Rock Festival é um dos mais conceituados do circuito de festivais e em 2015 arriscou a inclusão dos Lucifer’s Friend no alinhamento. A banda germânica liderada pelo vocalista britânico John Lawton já não atuava ao vivo em grandes eventos há cerca de 28 anos e este era o segundo aparecimento ao vivo após o seu regresso no ano passado com o álbum Awakening. No final tudo correu bem e a banda até já prepara um novo álbum de estúdio e outras aparições ao vivo como nos confidenciou John Lawton, um dos três membros originais.

Olá John! Como vais? Desta vez, o tema da nossa conversa é álbum ao vivo dos Lucifer’s Friend. Um grande espetáculo quase 28 anos depois... como estava a química da banda nessa noite na Suécia?
Olá, estou bem, obrigado…Yeah! Vinte e oito anos depois, a banda está na estrada. Foi uma grande noite embora com muitos nervos. Não importa quantas vezes ensaiaste, quando chegas à frente do público, tudo muda.

Foi o segundo concerto ao vivo após o vosso regresso e, como referiste, os nervos fizeram-se sentir. Como lidaram com isso?
Bem, havíamos testado o conjunto ao vivo num show de aquecimento em Hamburgo alguns dias antes, portanto conhecíamos bem o setlist, mas na Suécia estava muito mais público. Mas logo que as coisas começaram a funcionar, tudo se encaixou...

Como estava o público nessa noite?
Fantástico! Acho que entenderam a situação de ser o primeiro espetáculo e ficaram connosco todo o set.

O que pensaram quando receberam o convite para tocar no Sweden Rock Festival – um dos maiores festivais do circuito?
Fantástico... Que estavam a oferecer aos Lucifer’s Friend, uma banda que tocou junta pela última vez há tantos anos, a oportunidade regressar a um grande festival. Mas hey, acho que foi o click que precisávamos.

E depois disso, como foi a vossa preparação?
Bem, como os restantes elementos estão em Hamburgo, muita dessa preparação foi feita sem mim, que vivo em Londres. Conversámos ao telefone quase todos os dias depois de terem ensaiado o set ao vivo. Depois voei para Hamburgo para os últimos dias de ensaios. No final, tudo correu bem.

Neste álbum ao vivo têm um novo teclista. Há quanto tempo está ele na banda?
Sim, Jogi é realmente um bom teclista e tinha tocado no nosso último álbum Sumo Grip em 1994. Infelizmente o nosso teclista original, Peter Hecht, decidiu que não queria voltar e nós respeitamos os seus desejos, mas penso que temos em Jogi um excelente membro. Temos também um novo baterista, Stephan Eggert que também é um excelente músico… mas três membros originais, eu, Peter Hesslein e Dieter Horns ainda cá estamos….

No que diz respeito às canções, a opção foi quase a mesma do álbum Awakening – quer em termos de novas quer de antigas canções...
Decidimos que, depois de tanto tempo longe de performances ao vivo, o público gostaria de ouvir o máximo de material antigo possível e, claro, as novas faixas do álbum Awakening. Acho que funcionou, os fãs parecem gostar dessa mistura e, claro, não queremos dececionar.

Esta presença no SRF já foi a 5 de junho de 2015. O que têm os Lucifer’s Friend feito desde então?
Acho que precisávamos de algum tempo para perceber o que tínhamos deixado e, simplesmente, não podíamos deixar isso assim. Passamos os meses seguintes a trabalhar em material novo até estarmos satisfeitos e termos algumas boas canções para gravar. Isso levou-nos até ao Natal. Assim, desde o início do Ano Novo temos vindo a gravar as faixas para o novo álbum de estúdio chamado Too Late To Hate que deverá ser lançado no final de setembro de 2016. Andamos em tournée pelo Japão no início deste ano e acabamos de fazer o Festival Loreley na Alemanha. Os Lucifer’s Friend irão estar no Rock Of Ages Festival no final de julho e, em seguida, faremos alguns shows na República Checa em setembro.

Mais uma vez, muito obrigado, John! Queres acrescentar mais alguma coisa?
Muito obrigado por me entrevistares de novo... e a todos os nossos fãs, fiquem bem.

Sem comentários: