quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Entrevista: Matteo Brigo


Guitarrista dos prog rokers italianos Maieutica, Matteo Brigo concretizou um sonho antigo e lançou aquele que é a sua primeira experiência laboratorial, desculpem, o seu primeiro disco a solo. It Works! é um disco instrumental, orientado para a guitarra e conceptual. Fomos conhecer as motivações deste guitarrista italiano.

Viva Matteo! Como estás? Como é que esta criatura que criaste ganhou vida?
Olá para todos! Por aqui tudo ótimo! Foi um trabalho muito intenso porque tive que lidar com todos os detalhes do álbum. Quando tens uma banda podes dividir as tarefas com os outros membros, mas aqui o caso era mais complexo, mas também mais gratificante, porque tudo resultou como eu queria. Tudo começou há muito tempo. Eu sempre quis criar um álbum instrumental e tantas vezes comecei a trabalhar num, mas acabava sempre por empancar em algo e desistia. Finalmente tomei a rédea da situação e disse: "É agora a altura certa" e comecei a trabalhar nele a sério.

E definitivamente, funciona?
Espero que sim! Estou muito orgulhoso do resultado final. Quase toda a gente que ouviu o álbum deu-me um feedback positivo assim... parece funcionar!

It Works! é, então, a tua estreia como guitarrista a solo. Quando e por que decidiste que este era, efetivamente, a altura certa para fazer um álbum como este?
It Works! é um sonho que se tornou realidade. Desde que comecei a tocar guitarra que queria lançar um álbum assim. Até agora sempre toquei e compus a pensar com a cabeça de outros. Tinha que pensar no som, melodia e metas da banda e tive que adaptar o meu estilo e a minha forma de tocar. Tudo foi ligado por compromisso. A certo ponto... kaboom... Algo explodiu! Comecei a criar algo que realmente representam a música que ouço na minha cabeça.

Este é um álbum conceptual, mas sendo um álbum instrumental, como é que trabalhaste o conceito?
Cada faixa é como um capítulo de uma história. Alguns momentos envolvem reflexão e contemplação, outros são ação pura. Tentei processar a melhor música de acordo com a história. É uma história de ação de modo que o álbum é muito brilhante e agitado, mas há momentos mais introspetivos e filosóficos como a última música. Aqui os personagens, após uma viagem no tempo, paradoxos e aventuras estranhas voltam tempo presente. Mas será realmente assim? Tudo o que mudaram no passado também poderá ter mudado o seu tempo presente. É assim que começa Who Knows, uma música progressiva, que é diferente do modo fascinante e cativante do álbum. O processo criativo foi bastante simples também porque não tinha que pensar nas letras. Um problema a menos!

O principal personagem é um cientista louco. Podes falar um pouco sobre ele?
Tive a ideia de tocar com um vídeo jogo antigo, Day Of The Tenctacle, uma história de ciência estranha, uma das histórias mais surreais e engraçadas que conheci. Génio puro! O pano de fundo do jogo está cercado por invenções malucas deste cientista louco como máquinas do tempo, monstro do tentáculo e outros materiais estranhos. Esse é o lugar onde tudo começa. Adicionei algumas caraterísticas e detalhes da década de 80 de filmes que gosto como Back To The Future, Ghostbuster e muitos outros. O cientista louco é uma espécie de alter-ego meu, porque gasto muito do meu tempo no laboratório a tentar trazer à vida um estranho material musical encantador. Tudo irónico!

Musicalmente este é um típico álbum de guitar hero dos anos 80/90. Quais são os nomes (guitarristas ou não) que mais te influenciaram?
Adoro o shred dos anos 80 e anos 90 e estou sempre a tentar descobrir novos álbuns dessa idade de ouro. Ao mesmo tempo, tento estar atualizado sobre as novidades nesta área. Certamente queria recriar a essência happy-go-lucky dos clássicos, Steve Vai e Joe Satriani, mas a lista é muito longa: Van Halen, Marty Friedman, Vinnie Moore, Paul Gilbert, Yngwie Malmsteen... Falando de bandas, o meu ponto de referência, está muitas vezes ligado ao heavy metal e hard rock. Mas tenho que ouvir material novo que vou descobrindo e tento absorver os inputs de muitos estilos musicais diferentes.

Falando de influências, há também algumas de filmes de culto, como aliás já mencionaste. Quais os que tiveram maior relevância para ti?
Eu sou um fanático dos filmes dos anos 80! Comédia, fantasia, ficção científica! Tudo era grande nos anos 80! Sou inspirado principalmente por Back To The Future, Weird Science ou Querido, Encolhi os Miúdos. Mas gosto de todos os filmes com Michael J. Fox ou Arnold Schwarzenegger, ambos verdadeiramente inspiradores do meu mundo innerd.

Para além deste trabalho a solo, também és membro da banda de rock progressivo Maieutica. De alguma forma os dois trabalhos se interligam?
Não, não estão interligados. Maieutica tem um estilo diferente, mais obscuro e mais complexo. Quando componho material novo para os Maieutica tenho de banir a ironia e a leveza, porque os seus movimentos poéticos e musicais agem em áreas diferentes. Além disso, é uma banda de verdade, com um cantor e com letras profundas e filosóficas. Depois de anos a tocar esse tipo de música senti a necessidade de fazer algo relacionado com a parte irónica e ensolarada de mim.

E com um álbum lançado ainda este ano, R.E.S.. Podes falar um pouco deste disco?
R.E.S. é álbum de rock progressivo com influências metal e alternativas, cantado em italiano. Todo o álbum roda em torno de viagens e movimentos interiores e exteriores. Há influências exóticas nas melodias e muitas atmosferas diferentes. Tentamos experiências interessantes e uma série de diferentes estilos, mantendo intacta a nossa marca. Estou muito orgulhoso de canções como Primo Contatto ou Maelstrom. É completamente diferente de It Works!. R.E.S. é uma viagem onírica e sonhadora; It Works! é uma descarga de adrenalina, uma louca aventura no espaço-tempo!

E a respeito de próximos projetos?
Estou sempre a compor novo material para Maieutica ou para o meu projeto a solo. Adoraria levar It Works! para palco e estou à procura de uma banda completa. Também estou a trabalhar num novo videoclip e espero lançar algo entre setembro e outubro. Sigam o meu canal do youtube, a ser constantemente atualizado. https://www.youtube.com/user/MatteoBrigo

Muito obrigado, Matteo! Queres acrescentar mais alguma coisa?
Muito obrigado! Para mais informação ou detalhe sobre o meu trabalho, por favor, acedam a www.matteobrigo.com. Obrigado a todos que lerem esta entrevista e vemo-nos em breve neste mundo musical mágico!

Sem comentários: