sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Entrevista: Soul Seller

 
Novo álbum, novo line-up, nova editora, nova forma de trabalhar, nova sonoridade. Em suma, são uns novos Soul Seller que assinam Matter Of Faith, segundo trabalho dos transalpinos, sucessor de Back To Life. Uma questão de fé, poder-se-ia dizer, mas nas palavras de Dave Zublena, é o resultado de muito trabalho de equipa e bastante inspiração. 

Olá Dave! Podes apresentar os Soul Seller aos rockers portugueses?
A banda nasceu em 1999 depois de vários anos a tocar em pubs do norte da Itália, dividida entre demos, gravações de álbuns autoproduzidos e a tocar covers. Demos o grande passo em 2011, quando assinamos com a Avenue of Allies e o posterior lançamento do nosso primeiro álbum Back To Life, produzido por Alessandro Del Vecchio. Este ano, estamos finalmente de volta com Matter Of Faith, uma nova editora e um novo line-up. Somos uma banda clássica de hard rock, com influências que abrangem os gloriosos anos 80, o AOR, mas também rock moderno, metal e prog. A nossa missão é criar o nosso próprio som, mas, ao mesmo tempo, ter todos os ingredientes necessários que fizeram grande este género de música nos últimos 50 anos.

Precisamente cinco anos depois, o regresso e como afirmaste com um novo line-up. Essa é a principal notícia… nada menos do que meia banda. O que aconteceu?
Foram separações amigáveis que aconteceram em diferentes épocas e maneiras para cada membro que nos deixou. Para uns as razões prenderam-se com diferentes opiniões sobre a organização da banda e sobre o novo caminho melódico que queríamos tomar. Outros simplesmente preferiram concentrar-se na família e em outros projetos. Estes foram 5 anos longos e muito difíceis e passamos por muita agitação, mas mantivemo-nos porque não queríamos desperdiçar tudo o que tínhamos construído e conseguido graças ao Back to Life. Soul Seller tinha que continuar.

Os novos membros tiveram oportunidade de colaborar ativamente neste novo álbum?
Sim, absolutamente. Muitas canções já tinham sido escritas quando eles entraram na banda, mas a sua chegada permitiu trazer novos arranjos e modificações que não seriam possíveis antes, dando a este trabalho um novo e totalmente inesperado sabor. Fomos finalmente capazes de tocar como Soul Seller e não uma cópia de qualquer outra banda. A sua contribuição para o álbum foi essencial.

Para além desta diferença mais notória para Back To Life, houve mais mudanças no vosso método usual de trabalho?
Do ponto de vista da escrita, é tudo novo. Back To Life tinha sido escrito quase inteiramente por mim, com algumas contribuições posteriores durante as sessões de gravação, enquanto Matter Of Faith passou por um processo mais amplo e mais detalhado. Compartilhei as minhas ideias com a banda numa espécie de projeto embrionário que foi posteriormente editado e forjado por cada membro de acordo com o seu estilo de tocar. Além disso, grande parte do material foi escrito, também, pelo nosso guitarrista, Cristiano Audisio. Portanto, podemos dizer que, desta vez, houve um ótimo trabalho de equipa.

Como decorreram os processos de composição e gravação?
Como referi, houve um ótimo trabalho de equipa. Quanto às sessões de gravação, também houve muito trabalho de equipa, mas gerido pelo nosso "treinador" Alessandro Del Vecchio. Ele é um grande produtor e gravou, misturou e masterizou tudo. Sem esquecer a sua contribuição final para os arranjos. Confiamos totalmente e envolvemo-nos numa atmosfera muito relaxada. De qualquer forma Cristiano e eu quisemos envolver-nos em todos os momentos da gravação, porque sentimos que este álbum seria o nosso bebé e queríamos "acariciá-lo" em cada momento de seu crescimento. É por isso que somos creditados como co-produtores.

Tide Is Down foi a primeira escolha para vídeo. Por quê? Há planos para mais algum em breve?
Escolhemos Tide Is Down talvez porque seja a canção que mais representava o "corte com o passado" e a "atmosfera brilhante" de Back to Life. Queríamos que as pessoas compreendessem imediatamente que algo havia mudado no som dos Soul Seller, que estava mais maduro. Um novo single e um novo vídeo estão em preparação, daremos notícias em breve. Vamos gravá-lo no final deste ano e estará fora em janeiro de 2017.

Falando agora do futuro, quais são os vossos principais objetivos a alcançar?
Sermos capazes de, finalmente, organizar uma tour fora da Itália. Sei que há muitos fãs lá à espera de nos ver e estamos a trabalhar para tentar alcançar o maior número de países possível. Também neste caso acho que poderemos dar mais informações em janeiro.

Muito obrigado, Dave! Queres acrescentar algo mais?
Gostaria de agradecer o espaço que nos deste e agradecer a todos os fãs portugueses pelo seu apoio. Continuem a seguir-nos porque não pretendemos parar. Esperamos tocar no teu país o mais rapidamente possível. Obrigado a todos novamente!

Sem comentários: