segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Entrevista: Fourth Circle

Depois de Lifetimes, surge Elements que marca, claramente um passo em frente na maturidade dos Fourth Circle. A banda francesa, que passou de sexteto e quinteto, teve mais tempo para trabalhar este conjunto de músicas e o resultado é evidente. Estes foram alguns dos temas abordados nesta conversa com os Fourth Circe.

Viva! Obrigado pela vossa disponibilidade! Quem são os Fourth Circle? Podem apresentar a banda aos metalheads portugueses?
Olá! Em primeiro lugar, obrigado pelo teu interesse na nossa banda! Pensamos que é, provavelmente, a primeira vez que os metalheads portugueses ouvem/vem/leem sobre nós e é um prazer apresentar Fourth Circle para todos vós. Portanto, Fourth Circle é uma banda de música sinfónica francesa oriunda do nordeste do país. A banda é composta por cinco membros: Audrey Adornato (vocal), Julien Blanchet (bateria), Maxime Boriolo (guitarras), Olivier Keller (teclados) e Cédric Noël (baixo). A banda foi criada em 2011 por Audrey e Olivier, na sequência da divisão de uma banda anterior. Os outros membros que compõem o lineup atual juntaram-se à banda ao longo dos anos. O nome da banda é baseado no Inferno de Dante, mais precisamente no "quarto círculo do inferno". A ideia era encontrar um nome que nos pudesse fazer lembrar os nossos erros, com as nossas bandas anteriores. O quarto círculo é sobre pessoas que não gostam do que a vida lhes oferece. Esta é a orientação da banda desde a sua criação: ter em mente a oportunidade que temos de tocar música, e compartilhá-la com as pessoas.

O que vos motivou a criar esta banda?
O que nos motivou a criar esta banda foi, antes de mais, o prazer da música e o desejo de partilhar as nossas canções e o nosso universo com o público. O prazer de conhecer e trocar concertos com bandas é uma experiência incrível.

Este é o vosso segundo álbum, por isso pergunto o quão diferente ou semelhante é em relação à estreia…
O nosso primeiro álbum, Lifetimes, foi composto rapidamente (alguns meses) logo após a criação da banda. Nessa altura, a ideia era poder tocar a nossa música em palco o mais cedo possível. Mesmo que estejamos orgulhosos do que foi feito nesse disco, sabemos que alguns erros foram cometidos durante a composição, o arranjo e a gravação. Para o segundo álbum, Elements, sabíamos que algumas melhorias eram possíveis e necessárias. Assim, quisemos utilizar o nosso tempo nos processos de composição e gravação, a fim de obter um resultado mais satisfatório com as nossas ideias. Este trabalho foi feito principalmente em casa, num pequeno estúdio. Todas as músicas de Elements foram gravadas durante 18 meses no nosso estúdio e depois decidimos confiar os trabalhos de mistura e masterização ao Psyrus Studio para dar ao nosso álbum um som profissional.

Entre os dois álbuns passaram de sexteto a quinteto. Sentem-se melhor assim?
Bem, na realidade não foi uma escolha... O que aconteceu foi que o nosso guitarrista anterior tinha necessidades pessoais que não se encaixavam com a atividade da banda e decidimos de comum acordo afastarmo-nos para que ele pudesse viver a sua vida como quisesse. Mas ele era insubstituível!!! Tentamos arranjar outro músico mas... não funcionou. Assim, tivemos que aprender a fazer isto sem um segundo guitarrista em palco, mesmo que as nossas músicas ainda sejam compostas de várias partes de guitarra, mas parece que funciona bem!

Bem, para aqueles que não vos conhecem, como descrevem a vossa música?
É difícil qualificar a nossa música. Nós classificamo-nos de metal sinfónico porque usamos samples sinfónicos, mas exploramos diferentes universos como electro ou heavy. Especialmente, penso que a nossa música é acessível a um público muito vasto.

As primeiras reviews têm sido muito boas… estão animados ou assustados (risos!)?
Ambos!!! (risos). Por um lado, é bom ver que o nosso trabalho é apreciado pelos outros e dá-nos energia para continuar e trabalhar ainda mais no futuro... Mas, por outro lado, sabemos que o nosso próximo trabalho será percebido pelo prisma deste... e isso é um pouco assustador! Isso significa que devemos prestar atenção a tudo o que é dito sobre como fazer melhor e fazê-lo acontecer na próxima vez. As boas notícias? Queremos realmente melhorar e propor algo mais e mais eficaz... e é também graças à crítica que podemos progredir!

Como decorreram os processos de composição e gravação?
Para o processo criativo, muitas vezes começamos com um riff de guitarra trazido por Max, que depois é estruturado e arranjador por Olivier. Audrey traz os textos e as linhas de música, e depois trabalhamos nos ensaios para que todos coloquem o seu toque pessoal. A gravação foi feita no home studio na casa de Olivier, o que nos permitiu trabalhar serenamente e aprofundar as nossas ideias.

Sendo uma banda ainda tão jovem, onde pensam que podem chegar no futuro?
Esperamos que os Fourth Circle estejam aqui para durar! Os nossos sonhos e expetativas são tudo o que uma banda jovem pode sonhar: muitos espetáculos bons, tocar com todas as bandas que amamos, viajar por países bonitos e desconhecidos, muitas ideias novas para os álbuns e videoclipes...

Muito obrigado! Desejam acrescentar mais alguma coisa?
Para as últimas palavras, obrigado por lerem esta entrevista e convidamo-vos a consultar o nosso site para mais informações sobre a nossa banda (também podem contactar-nos diretamente através das nossas páginas do Facebook). Para ter uma ideia rápida do que a banda é, vejam o nosso vídeo: é um bom exemplo! E, finalmente, é claro que ficaremos encantados em ver-vos no público dos nossos próximos concertos.

Sem comentários: