quarta-feira, 26 de abril de 2017

Entrevista: Agresiva

É comum dizer-se do mais recente disco que é o melhor da carreira. Já se tornou um cliché. Mas no caso dos Agresiva, o seu terceiro longa-duração, Decibel Ritual é mesmo o melhor. A estrear um novo baixista a banda madrilena mostra-se em grande forma e, agora, na Minotauro Records pode chegar mais longe e ampliar a sua base de fãs.

Viva! Para começar, podes contar-nos algo sobre a banda e o vosso background?
Viva! Estou muito satisfeito em responder às tuas perguntas. Estamos todos bem, muito animados com o novo lançamento e atualmente muito ocupados a promove-lo. Agora, a respeito da banda. Foi fundada em junho de 2008 pelos guitarristas Miguel Coello e Eduardo Chamón, que saíram pouco depois de terminarem de gravar o nosso primeiro LP em dezembro de 2011. Desde aí, depois de transformar a banda num quarteto, lançamos mais álbuns e um EP e tocamos em quase toda a Espanha e em alguns outros países da Europa.

Uma vez que Decibel Ritual é o vosso terceiro álbum, como tem sido o vosso percurso até agora?
Tem sido muito intenso. Nove anos em tours a tentar melhorar as nossas performances de som e vida por forma a oferecer o melhor aos nossos seguidores. Milhares e milhares de quilómetros feitos, muitos hotéis, cidades, shows, maníacos de heavy metal de quase todos os lugares e toneladas de junk food (risos)...

Todos os vossos álbuns, até agora, têm sido edições independentes. Este aparece associado à Minotauro Records. Como se estabeleceu essa ligação?
O Marco, chefe da editora, contactou-nos há dois anos para reeditar o nosso primeiro lançamento, Eternal Foe. Gostamos muito da forma como ele o promoveu e se preocupou como saiu a reedição. Portanto, conversamos com ele para lançar este nosso novo álbum, Decibel Ritual.

Acham que agora os Agresiva podem ter uma maior projeção internacional? Já sentiram isso?
Sim, embora já tenhamos jogado noutros países como Holanda, Rep. Checa ou recentemente Inglaterra, esperamos que com este novo álbum e o apoio da editora, consigamos mais shows e exposição no estrangeiro. Normalmente este é um problema para as bandas espanholas, mas parece que ultimamente a maré tem estado a mudar.

Para este álbum tiveram algumas mudanças de formação. Em que consistiram?
Sim, temos um novo baixista na nossa formação. Chama-se Miguel Martín e estamos muito felizes com ele na banda. Ele é um músico incrível e conhece o meio.

Isso refletiu-se no processo de composição?
Não propriamente, já que o Sr. Martín apenas se juntou a nós quando estávamos quase a entrar em estúdio, com todas as canções praticamente já escritas e arranjadas.

Portanto, este é o vosso melhor álbum até agora? Como analisam a vossa evolução?
Eu sei que esta frase é um cliché, mas acreditamos que Decibel Ritual é o nosso melhor lançamento até agora e, honestamente, tenho que dizer que este é o trabalho do qual estou mais orgulhoso. Além disso, temos vindo a receber incríveis reviews quer da Europa como dos EUA, o que, em nossa opinião, vem confirmar isso. Isso não significa que de repente deixasse de gostar dos nossos álbuns anteriores. Na realidade gosto de todos, significam muito para mim. O trabalho árduo e o esforço trouxeram-nos até aqui, mas agora é tempo de Decibel Ritual.

A masterização foi feita por este mágico que é Mika Jussila nos seus Finnvox Studios, uma situação que se tem vindo a repetir nos vossos últimos registos. É, de fato, um trunfo para o vosso trabalho?
Sim, ele é um ativo juntamente com os nossos produtores, J. Garrido e D. Melián. Trabalhamos com a Mika desde o lançamento do EP em 2013, Chronophobia e estamos muito felizes com o resultado. Na verdade, ele também colabora muito frequentemente com o estúdio onde registamos os dois últimos álbuns, New Life Studios, portanto, é tudo fácil.

Honestamente, e na minha opinião, um dos maiores problemas do metal espanhol são as vocalizações, especialmente quando em espanhol. Vocês sabem isso bem, e inglês foi a escolha certa...
Sim, concordo totalmente. Mas devo dizer que, no nosso caso, eu vivi em Inglaterra durante quase dois anos e, o estúdio New Life forneceu-nos assistência em língua inglesa para as gravações, embora, claro, esteja ciente que mantenho o meu sotaque espanhol. Trabalhamos muito para o fazer de uma forma que soasse compreensiva. Além disso, no nosso caso, temos tocado e, especialmente, recebido reviews do estrangeiro e nunca recebemos críticas sobre o sotaque de nenhum órgão de comunicação. Na verdade, os únicos recebidos são surpreendentemente da Espanha (risos)

E agora, daqui para a frente, o que têm planeado em termos de estrada?
Sim, temos muitos planos. Vamos fazer Valência e dois dias seguidos em Madrid ao lado de nossos irmãos Neverworld do Reino Unido. Além disso, planeamos fazer alguns festivais de verão, para depois, no outono, continuarmos a fazer algumas cidades espanholas e, se tudo correr como planeado, novamente alguns países europeus novamente.

Obrigado!
Muito obrigado pela tua atenção e apoio. Também gostaríamos de cumprimentar todos os leitores de Via Nocturna e convidar-vos a seguir-nos no Facebook dos Agresiva e no nosso canal do YouTube e, se gostarem da nossa música, adquiram o nosso último lançamento, Decibel Ritual. Muito obrigado.

Sem comentários: