quinta-feira, 11 de maio de 2017

Review: Shades Of Time (Heylel)

Shades Of Time (Heylel)
(2017, Interstellar Cloud)
(6.0/6)

Se os dois trabalhos iniciais dos Heylel (Nebulae e Flesh) já tinham deixado excelentes indicações, é agora com Shades Of Time, novo disco do coletivo portuense que todas as dúvidas se desfazem a respeito da sua capacidade criativa, técnica e emotiva. Shades Of Time é um disco magistral e sublime carregado de fortes emoções e de uma indiscritível beleza. O seu rock progressivo, muitas vezes minimalista, desenvolve-se de uma forma simplesmente brilhante. E não precisa de grandes artefactos nem de grandiosas produções. Por vezes, o menos é mais e o frequente recurso a dedilhados acústicos, vozes quentes e melodiosas e linhas de violino são a prova disso mesmo. Aqui e ali há algumas reações, algumas paisagens mais ríspidas que são criadas e é nestes momentos que a envolvente elétrica se torna deliciosa. Uma envolvente que se cria, desenvolve e desemboca em algo de grandioso. Uma envolvente que se vê nascer e crescer. Assim, como só os The Gathering ou os …In The Woods pareciam ser capazes de fazer… Shades Of Time é isso e muito mais. Os arranjos, por vezes minimalistas, como já referido, tornam-se, noutras alturas, simplesmente empolgantes. A riqueza estilística e instrumental é assombrosa. As dinâmicas criadas são geniais. Não adianta falar individualmente de temas, porque eles são todos igualmente mágicos. Não adianta falar individualmente dos músicos porque eles são todos da mais fina craveira técnica. Valerá a pena referenciar os convidados? Só para que conste que as participações de Ky Fifer, Francisca Ribeiro, Erik Laan e Kristoffer Gildenlöw se enquadram na perfeição em toda a estrutura musical criada. Faltará apenas referir que Shades Of Time é a banda sonora perfeita para quem apenas procura a excelência.

Tracklist:
1.      Lost Childhood
2.      Shades Of Time
3.      The Big Runaway
4.      Fallen Angel
5.      Lost And Found
6.      You Should Have Known
7.      Ghosts
8.      Rollercoaster
9.      On My Deathbed
10.  Le Dernier Troubadour

Line-up:
Narciso Monteiro – guitarras
João Amorim – baixo
Ana Clérigo – violino
Ricardo Teixeira – bateria
Ana Batista – vocais

Convidados:
Ky Fifer – vocais em #2
Francisca Ribeiro – vocais em #8
Erik Laan – discurso inicial em #8
Kristoffer Gildenlöw – vocais em #9

Internet:
Website   
Facebook   

Edição: Interstellar Cloud   

Sem comentários: